Como tocar o entorno
sê
cacos colados
de peito aberto
previous arrow
next arrow
previous arrownext arrow
Slider

SOMOS passagens_Passagens das memórias, das cidades, dos nossos desejos, da natureza, da vida, do ser_Ser-passagem é viver situações em fronteiras de tempos e espaços_Fronteiras não demarcadas, de bordas opacas, sem contornos exatos_Fronteiras onde os campos se misturam e se interceptam, desfazendo barreiras, dissolvendo divisas_ 

São nessas PASSAGENS, nesses quandos da fluidez, que localizo a fonte conceitual e estética deste livro, cujos poemas apresento em quatro territórios que se contaminam e anunciam um recomeço a cada um dos passos, a cada um dos quatro movimentos na fronteira_ 

COMO TOCAR O ENTORNO é o primeiro movimento do livro_
A poesia nele busca flertes com questões filosóficas, psicológicas e sociológicas, berços das inquietações que a vida nos faz_A travessia dos dias, os detalhes cotidianos, a percepção do tempo, os percalços na trajetória, as convalescências e a força de mudança convidam os pés a continuar seguindo_  

No segundo movimento, CACOS COLADOS, os poemas experimentam-se no próprio exercício criativo da escrita e nas suas reverberações em outras linguagens artísticas_As fronteiras tocam a metalinguagem e arriscam a traduzir desassossegos em palavras, tons, ritmos de leitura e processos intensos de significação_É nele, ainda, que a Semiótica vira, também, objeto-poesia_

é o terceiro movimento do livro e quer transmutar-se em matéria-palavra dos elos de ligação entre nós, humanos, e o essencial da existência e a simplicidade da vida e o elementar da natureza_Os pássaros ganham destaque por se revelarem  metáforas dos voos que damos ou que gostaríamos de ser (sê-voo) no mundo_

Em DE PEITO ABERTO, quarto movimento, escancaram-se as paixões, o amor, a revelação cúmplice humana_Os poemas deslindam especialmente a intimidade feminina, as relações que estabelecemos com nossos corpos e a profundidade do encontro íntimo entre mulheres_É a alma rasgada em seu quando mais sensível_

Desvelo, assim, o universo que vivi no meu instante QUANDO FRONTEIRA, um livro carinhosamente cuidado para fazer viver tantas outras passagens, tantos outros sentidos_

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *